Pesquisar neste blogue

domingo, 30 de outubro de 2011

Diz Pedro Rolo Duarte: Uma contradição bem portuguesa

Por causa do post de ontem, onde “evocava” a memória desse grande “estadista” que foi José Sócrates, e dos comentários que mereceu dentro e fora do blog, apercebi-me de um fenómeno curioso:
Passamos a vida a criticar os nossos semelhantes – sob a divertida fórmula substantiva “Os portugueses...”, que sempre nos exclui... – dizendo que têm “memória curta”. É por terem “memória curta” que votam sempre nos mesmos, que elegeram Cavaco, que dão vitórias a autarcas corruptos, que aplaudem o mesmo Portas que antes vilipendiaram.
Porém, os que criticam a “memória curta” nacional e a convocam para exigir mudança, ocupam-se agora a limpar o passado recente com a pergunta/fórmula “ai o Sócrates ainda tem culpas?”. Ou mais candidamente: “e não podem deixar o Sócrates em paz?”. Ou misericordiosamente: “Coitado do Sócrates, não o largam...”. Ou militantemente: “ele ía a caminho da missa quando veio a crise e deu cabo de tudo”...
Ou seja: uma vez saído de seis anos da mais lamentável governação, e encontrando-se discretamente a beber capuccinos nas esplanadas de Paris, José Sócrates ganha estatuto de impunidade, torna-se inimputável, e deixa de contar para as contas da miséria em que nos encontramos?
Eu diria que ele continua a fazer parte do quadro. Acho mesmo que ele é um dos protagonistas do quadro.
Mas a nossa extraordinária capacidade de perdão já lhe devolveu a folha em branco, e só passaram seis meses...
É milagrosa, de facto, a capacidade que temos de passar a limpo o passado. Ou visto do lado da realidade crua e triste: nunca vamos aprender com os erros cometidos. Por isso eles se “sucedem constantemente”, como “as ondas do mar salgado”. “Umas trazem peixe, as outras principalmente”.
É por aí que vamos novamente. Bute lá, então. Quanto mais se bate no fundo, mais fundo ele pode ir, não é assim?

Regresso do blogue

image titi
Obrigado a todos que nos continuaram a seguir durante este mês de ausência

sábado, 22 de outubro de 2011

A imagem do dia 22-10-2011

See Explanation.  Clicking on the picture will download
 the highest resolution version available.

Jupiter Near Opposition
Image Credit & Copyright: S2P/IMCCE/Obs. Midi Pyrénées, Jean-Luc Dauvergne, Francois Colas
Explanation: On October 29 (UT), Jupiter, the solar system's largest planet, will be at opposition, opposite the Sun in planet Earth's sky, shining brightly and rising as the Sun sets. That configuration results in Jupiter's almost annual closest approach to planet Earth, so near opposition the gas giant offers earthbound telescopes stunning views of its stormy, banded atmosphere and large Galilean moons. This sharp snapshot of Jupiter was captured on October 13 with the 1 meter telescope at the Pic Du Midi mountain top observatory in the French Pyrenees. North is up in the image that shows off oval shaped vortices and planet girdling dark belts and light zones. Also seen in remarkable detail, Jupiter's icy Ganymede, the solar system's largest moon, is emerging from behind the planet (top) while volcanic Io enters the frame near the lower left edge.

PATÉTICO !!!



Descontos contestados

O Sindicato dos Trabalhadores Consulares e Missões Diplomáticas (STCDE) acusa o Ministério dos Negócios Estrangeiros, tutelado por Paulo Portas, de, apesar de ter cortado os 26 dias de salário aos funcionários das repartições consulares na Suíça que cumpriram greve, ter feito descontos para a Segurança Social com base no salário normal.

"Isto é inqualificável e de uma violência terrível", disse ao CM Jorge Veludo, do STCDE. Foram cerca de 50 os funcionários que fizeram greve contra as perdas salariais provocadas pela valorização do franco suíço. O CM tentou obter uma reacção do MNE, sem sucesso.

Andorra: Emigrantes portugueses recolhem assinaturas contra encerramento de embaixada/consulado

Lisboa, 20 out (Lusa) – A plataforma de luta contra o encerramento de representações oficiais portuguesas em Andorra vai recolher mais assinaturas para a sua petição, durante os três dias da Feira de Andorra-a-Velha, informou o conselheiro da comunidade lusa residente no principado.
José Manuel da Silva disse à Agência Lusa, em contacto telefónico feito a partir de Lisboa, que a decisão foi tomada na reunião da plataforma de quarta-feira à noite, que também marcou para dentro de uma semana um novo encontro, que já deverá decidir o envio de uma delegação a Lisboa para sensibilizar o Presidente da República para a causa destes emigrantes.
A questão do encerramento das representações oficiais de Portugal em Andorra surgiu com uma declaração do embaixador português no principado, Mário Damas Nunes, que na passada quinta-feira disse à Agência Lusa ter recebido ordens para encerrar as instalações e fechar os serviços até ao final de dezembro.
Posteriormente, o secretário de Estado das Comunidades, José Cesário, disse não existir “nenhuma decisão relativamente a qualquer encerramento de qualquer posto ou qualquer embaixada”, mas, contactado pela Agência Lusa, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Miguel Guedes, referiu que está em estudo um plano global (sobre embaixadas), a anunciar logo que concluído, até ao final do ano.
“Todos estamos conscientes das dificuldades económicas (…), mas sob nenhum contexto ou pretexto podemos aceitar como cidadãos portugueses qualquer medida que vá contra os direitos dos emigrantes, verdadeiros embaixadores da Pátria portuguesa”, declarou José Manuel da Silva, citando o manifesto aprovado no protesto realizado na terça-feira à noite junto da embaixada de Portugal em Andorra.
Em Andorra vivem cerca de 13 mil portugueses, o que representa quase 16 por cento da população do principado.
De momento, a petição contra o encerramento da embaixada e consulado de Portugal em Andorra recolheu 600 assinaturas.

Kadhafi - O fim do palhaço cruel - Video



quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Diz o "Diplomatizzando"

Salarios de diplomatas: nossos colegas de Portugal...

Confesso que não acompanho salários de diplomatas brasileiros: nunca me interessei pela matéria, pois de nada adiantaria. Simplesmente recebo o que me pagam, e ajusto minhas despesas em função disso. Já ganhei, já ganhamos, muito mal. Não digo que está uma maravilha agora, certamente não, mas tampouco é a miséria de tempos antigos, quando ganhávamos menos do que um ascensorista do Senado (talvez ainda se ganhe...).
Mas recebi uma mensagem de um colega português a este respeito.
Sem tempo para refletir, comparar, comentar a respeito, simplesmente posto sua mensagem, e deixo para voltar ao assunto mais adiante.
Talvez alguns dos meus leitores, de uma ou outra nacionalidade, queira comentar...
Paulo Roberto de Almeida

Nome: Xxxxxx Xxxxx
Cidade: Lisboa
Estado: Solteiro
Email: xxxxxxxx.xxxxx@gmail.com
Assunto: Opiniao
Mensagem: Boa Noite,
É com muito prazer que tenho acompanhado o seu Blog e louvo uma opinião tão sincera e louvável. Na nossa sociedade e tendo em conta a diferença de postura na cena internacional, deparámo-nos muitas vezes com os meus problemas... Sou do País Irmão Portugal...como tem conhecimento enfrentamos tempos internos dificeis. Com elevada austeridade, a carreira diplomática tem sofrido cortes tal como, os restantes corpos especiais da Administração Pública.
O actual estatuto Português resume-se assim:

SALÁRIOS DOS DIPLOMATAS EM 2010 (os únicos com desconto para a Segurança Social que garantem a reforma):

EMBAIXADOR
Escalão 1 - 3.729,57 euros
Escalão 2 - 3.910,04 euros
Escalão 3 - 4.090,05 euros

MINISTRO PLENIPOTENCIÁRIO
Escalão 1 - 3.007,72 euros
Escalão 2 - 3.248,34 euros
Escalão 3 - 3.368,64 euros
Escalão 4 - 3.488,95 euros
Escalão 5 - 3.609,25 euros

CONSELHEIRO DE EMBAIXADA
Escalão 1 - 2.165,55 euros
Escalão 2 - 2.285,87 euros
Escalão 3 - 2406,17 euros
Escalão 4 - 2.646,78 euros

SECRETÁRIO
Escalão 1 - 1.624 euros
Escalão 2 - 1.684,31 euros
Escalão 3 - 1.804,62 euros
Escalão 4 - 1.924,94 euros
Escalão 5 - 2.045,25 euros

ADIDO
Escalão 1 - 1.503,85 euros

ABONOS EM EMBAIXADAS E CONSULADOS
Os abonos de representação e de residência para diplomatas são isentos de imposto e variam de país para país, em função do risco e da importância estratégica do local. Espanha tem as compensações financeiras mais elevadas. Em contrapartida, Washington, uma das capitais mais caras do Mundo, e Tunes, que tem um nível de perigo mais elevado, têm abonos inferiores.

ONU (Nova Iorque)
Conselheiro - 15.159 euros
Secretário - 14.775 euros

WASHINGTON
Ministro - 12.934 euros
Secretário - 8.517 euros

SALVADOR DA BAHIA
Ministro - 11.971 euros
Conselheiro - 11.179 euros

REPER (Bruxelas)
Conselheiro - 10.647 euros
Secretário - 8.925 euros

NATO (Bruxelas)
Conselheiro - 10.647 euros
Secretário - 8.925 euros

LONDRES
Secretário - 10.329 euros

BARCELONA
Ministro - 14.803 euros
Conselheiro - 13.736 euros

RABAT
Conselheiro - 9.294 euros
Secretário - 8.384 euros

TUNES
Conselheiro - 8.198 euros
Secretário - 7.830 euros

ROMA
Secretário - 9.058 euros

ZAGREB
Conselheiro - 10.547 euros
Secretário - 8.773 euros

DUSSELDORF
Ministro - 12.291 euros
Conselheiro - 11.471 euros

Em Portugal, o estado custeia a educação até o limite máximo de 2244 euros e no estrangeiro 300 euros por filho... Automóvel fica isento de imposto até 3500cc se possuir mais que uma os dois não podem exceder o valor referido ( isto existe no Brasil???)

Parecem elevados no entanto, as falhas no custeio da educação dos filhos, a dupla exclusividade laboral para o conjuge e o facto, de o estado não segurar a saude têm prejudicado bastante a representação retendo nalguns casos, metade dos abonos.

Seria possível retratar do mesmo modo a situação dos diplomatas do País Irmão, não interessa aqui comparar mas, apenas ter noção de realidades distintas mas, que enfrentam os mesmos desafios e obstáculos.
Melhores Cumprimentos,

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Encerramento de embaixadas

Andorra na linha da frente.

Tivemos conhecimento de que a Embaixada de Andorra vai encerrar. Desenvolvimento desta notícia nas próximas edições....

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Confusão total no parlamento


Gritos, interrupções e ameaças de cancelar a audição do ministro da Economia marcaram a tarde na Assembleia da República. Há deputados que ameaçaram abandonar o parlamento (actualizada.)
O ministro da Economia está hoje no Parlamento para apresentar o plano estratégico dos transportes. Mas em vez documento, o ministro apresentou um power-point com apenas nove páginas de conteúdo.
Assim, o documento não foi, nem será entregue aos deputados. Apenas será divulgado na quinta-feira.
Esse facto gerou a confusao total. Houve mesmo deputados a insultarem-se, a gritaram por cima uns dos outros, e tudo só acabou quando o Presidente da Comissão ameaçou cancelar a sessão.
A intervenção do ministro, que começou 50 minutos depois do horário, gerou forte polémica. Expressões como «falsidade», «manipulação» e «falta de seriedade» fizeram-se ouvir na comissão de economia.
Bruno Dias, do PCP, esteve 12 minutos a dar um 'raspanete' ao ministro. «Com quem se informa antes de vir para aqui, se nem nos fait-divers acerta?», disse, referindo-se à intervenção do ministro sobre os benefícios dos trabalhadores.
Os protestos ruidosos fizeram-se ouvir na sala da comissão de economia. «Fantochada», disse Ana Paula Vitorino, ex-secretária de Estado dos Transportes (PS). Heloísa Apolónia, dos Verdes, e os deputados do PS estiveram na iminência de abandonar o Parlamento em protesto.

A imagem do dia 06-10-2011

Clicando na imagem você verá a versão na melhor resolução.

M82: Galáxia Starburst com Super Vento
Créditos e direitos autorais : Dietmar Hager, Torsten Grossmann
Explicação: Também conhecida como Galáxia do Charuto pela sua aparência alongada, M82 é uma galáxia starburst (em que há uma violenta formação de estrelas) com um super vento. Na verdade, através das explosões de supernovas e dos poderosos ventos de estrelas de grande massa, a violenta formação de estrelas em M82 está provocando o prodigioso escape de material. As evidências que comprovam o super vento que parte das regiões centrais da galáxia estão claras nesta nítida imagem, baseada em dados de pequenos telescópios localizados no planeta Terra. A montagem destaca emissões de filamentos de hidrogênio atômico em tons de vermelho. Os filamentos se estendem por mais de 10.000 anos-luz. Um pouco do gás do super vento, enriquecido de elementos pesados forjados nas estrelas de grande massa, irá eventualmente escapar para o espaço intergaláctico. Provocada por um encontro muito próximo com a grande galáxia vizinha M81, a furiosa atividade de formação de estrelas em M82 deverá durar cerca de 100 milhões de anos. M82 está a 12 milhões de anos-luz de distância, perto do limite norte da Ursa Maior.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Regras sexy mas sérias para perceber o Mundial de râguebi (vídeo da semana)



As regras do râguebiEis a sua oportunidade! Agora que decorre o Mundial de râguebi na Nova Zelândia, até 23 de outubro, já não há razões para não perceber patavina do que se passa em campo. Neste vídeo, e com a ajuda destas prestimosas meninas, poderá ficar a par das regras principais do jogo.

7 famílias vivem à sombra do "Calhau" há mais de 30 anos



Os 35 anos de poder absoluto transformaram o Governo Regional da Madeira numa monarquia hereditária. As lealdades familiares e as amizades partidárias ocupam lugares na administração pública madeirense.
As centenas de jobs for the boys estão por todo o lado: casas do povo, juntas de freguesia, clubes, empresas públicas, institutos, associações desportivas, etc.. As relações de "primos e primas" e o efeito histórico do "cartão laranja" tomaram conta de uma região autónoma com pouco mais de 260 mil habitantes.
Na ilha de Alberto João Jardim há sete famílias que há mais de 30 anos estão e mandam no Governo Regional da Madeira.
Leia mais no e-paper do DN.

Ir a Tróia e, pelo caminho, trocar de milénio

Por Maria Catarina Nunes, publicado em 4 Out 2011 Além de terem dois mil anos, são o maior complexo de produção de salga de peixe conhecido do mundo romano. O i foi visitar o novo percurso das Ruínas de Tróia
 
  • Tróia
    Patrícia de Melo Moreira

Funcionários consulares Suíça suspendem greve durava há 1 mês

Os funcionários consulares na Suiça decidiram suspender a greve que mantinham há cinco semanas e dar «dois a três meses ao Governo para resolver o problema», disse à agência Lusa o secretário-geral do sindicato do setor.
Em declarações hoje à Lusa, o secretário-geral do Sindicato dos Funcionários Consulares e Missões Diplomáticas (STCDE), Jorge Veludo, adiantou que os trabalhadores decidiram suspender a greve «por vontade própria» e com a concordância da estrutura sindical, durante reuniões efetuadas durante o fim-de-semana.
«A greve foi suspensa por vontade dos trabalhadores e com a concordância do sindicato, depois de cinco semanas em greve sem ganho de causa», disse, explicando que pesou também na decisão «a consideração pela comunidade portuguesa» residente na Suíça, com a qual «os contactos estavam a ser cada vez mais incisivos».
Diário Digital / Lusa

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------

UMA NOVA LUTA VAI COMECAR COM O APOIO DA COMUNIDADE PORTUGUESA NA SUICA...

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

MNE atribuiu 800 mil euros de subsídios este ano



O Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) atribuiu no primeiro semestre deste ano quase 800 mil euros de subsídios a centena e meia de instituições no estrangeiro e em Portugal, segundo dados publicados esta segunda-feira em Diário da República.

Dos subsídios concedidos, 623.863,52 euros foram atribuídos pelo Fundo de Relações Internacionais (FRI), enquanto 136.849 euros foram entregues pela Direcção-geral dos Assuntos Consulares e das Comunidades Portuguesas, noticia a agência Lusa.

Os valores atribuídos pelo FRI beneficiaram 77 organizações, na sua maioria (64) consulados honorários no estrangeiro, mas também associações em Portugal.

Os consulados honorários de St. Helier, nas ilhas do Canal, (39.500 euros) e de Waterbury (30.875 euros), nos Estados Unidos, foram os que receberam valores maiores.

Em Portugal, entre as instituições subsidiadas, destaca-se o Instituto Português de Relações Internacionais (IPRI) da Universidade Nova, que recebeu em Janeiro um subsídio de 16.762,38 euros e, em Junho, outro de 50 mil euros.

Foram ainda concedidos 45 mil euros ao Colégio Português de Kinshasa, 20 mil euros à União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA) e 12.500 euros à Comissão Portuguesa do Atlântico.

O maior apoio, entre as associações portuguesas no estrangeiro, foi para a Associação Luso-Americana de Estudantes de Pós-Graduação e para a Coordenação das Colectividades Portuguesas de França, com 15 mil euros cada.

O valor mais baixo para uma instituição foram os 300 euros concedidos à Associação «Galeria de Arte Portugal Presente», de França.

A criação de uma sala de cinema, celebração de efemérides como o 25 de Abril ou o Dia de Portugal, visitas e bolsas de estudo e aquisição de instrumentos musicais foram alguns dos projectos apoiados pelo Governo português.

Foram ainda concedidas verbas entre 50 e 403 euros a título de apoio social a nove cidadãos portugueses no estrangeiro.

Os apoios financeiros do Estado ao movimento associativo português no estrangeiro foram na sexta-feira objecto de um pedido de explicações do deputado social-democrata eleito pela Europa, Carlos Gonçalves, ao Governo.

O deputado pediu ao Ministério dos Negócios Estrangeiros a listagem dos apoios concedidos às associações portuguesas no estrangeiro, nomeadamente as da Europa, entre 2009 e o primeiro semestre de 2011, com a respectiva indicação dos programas apoiados.

Numa pergunta ao MNE, Carlos Gonçalves deu conta de queixas sobre a falta de apoios ao movimento associativo e sobre a natureza dos projectos apoiados, adiantando que as associações têm dificuldades em conseguir apresentar convenientemente os projectos e recorrer às ajudas.

Classicos do cinema português - 2/11 Chaimite

Chaimite


 

"Chaimite" - 2/11

De Jorge Brum do Canto

1953 

domingo, 2 de outubro de 2011

Diz o Notas Verbais: "Greve na Suíça. Agora é difícil para todos"

A continuação da greve dos funcionários administrativos do MNE na Suíça depende da reunião marcada para este fim-de-semana em que vão decidir o que fazer quando o protesto entra na sexta semana. A greve foi convocada como "ilimitada" e afeta totalmente o funcionamento dos serviços na embaixada em Berna, na missão junto dos Organizações Internacionais e Nações Unidas, no consulado também em Genebra, e nos consulados em Zurique, Sion e Lugano. Em causa está a perda de cerca de 40 por cento nos salários devida aos ajustes cambiais euro/francos suíços, com interpretações distintas das partes em confronto (trabalhadores e MNE). Uma greve acarreta sempre prejuízos e provoca efeitos indesejáveis sobretudo se é prolongada, mas esta greve na Suíça, se era crítica, agora é que entra na fase de maior dificuldade ou da total dificuldade - e dificuldade para todos porque para além de ser "ilimitada" entrou num impasse, sem saída à vista, sem qualquer cardápio negocial devido à barragem reiterada do MNE. Os decisores das Necessidades obviamente que aguardam a capitulação dos trabalhadores na prova de resistência por que optaram, e, por outro lado, os trabalhadores não dispõem de um pretexto, digamos que airoso, para a capitulação, chamem a isso suspensão com intenção de a greve ser retomada em qualquer momento, ou, hipótese à partida impensável, conformação. É um impasse. O erro vem de trás e foi ditado quando na paz dos gabinetes se acreditava com ingenuidade ou mesmo irresponsabilidade que o euro estava para ficar como moeda de império, não se avaliando como a estrutura frágil dos salários portugueses poderia responder a flutuações cambiais. Agora, pior, com a evidência de que o euro não é uma moeda portuguesa e que quem está na Suíça vive com francos suíços.

Se Portugal não tivesse nesse país uma comunidade relativamente volumosa, a solução seria fácil: encerravam-se os consulados, retornavam os funcionários, liquidava-se a questão. Mas não - a comunidade justifica os consulados se o País quer remessas, pelo que tem a obrigação de dar apoio a quem potencialmente remete e pode remeter mais. E nesse apoio, os funcionários administrativos são peças-chave, além da nomenclatura por regra associada a tais apoios (ensino, por exemplo). O problema na Suíça é que não se sabe bem e ao certo o que o Estado quer e pode. Sabe-se vagamente e não com precisão, sendo que o assunto da presença consular portuguesa na Suíça não se esgota em questões cambiais agora vindas à tona devido à greve dos funcionários, com estes a darem relatos díspares das explicações oficiais.

A disparidade até se compreende durante uma, duas ou três semanas. Seis, sem clarificação total e cabal do assunto, é demais. O ministro remeteu para o secretário de Estado a solução "no quadro das atuais restrições orçamentais" e neste quadro, que não é solução mas entala o secretário de Estado, os trabalhadores dizem que não podem, e seis semanas de greve, para quem está de fora, ou é uma greve de ricos ou é uma greve de quem de facto não aguenta. E é sobre isto que o MNE deve falar com os trabalhadores, avaliando os custos da não-presença, os custos com administrativos e os custos com não-administrativos. Mas aqui, a conversa é outra.

Sem dúvida que o secretário de Estado deve estar entalado, o ministro tem conseguido ficar de fora pelo menos nos alinhavos da imagem pública mas não tarda que, queira ou não, fica dentro. Qualquer escuteiro sabe que tem que ter um canivete suíço à mão.

Excedentários da função pública levam corte de 50% no salário em 2012


Trabalhar no Estado começa a ser muito pior do que pertencer a uma empresa privada. Ainda há poucos anos, a maioria dos licenciados dava tudo para trocar o privado pela função pública, mas mudam-se os tempos, como quem diz mudam-se os cenários económico-financeiros e o proteccionismo que este sector sempre representou já não existe: o próximo Orçamento traz consigo mais uma medida que convida todos os trabalhadores na mobilidade a procurarem rapidamente outros empregos ao invés de permanecerem na bolsa de mobilidade. Nos dois primeiros meses, os funcionários nesta situação continuam a receber o salário por inteiro.
Mas nos dez meses seguintes, que em princípio correspondem  à fase de requalificação, a remuneração baixa dos actuais 83% do salário base para 66,7%.
Depois desse período, o trabalhador entra na fase de compensação e ficar a receber apenas 50% do vencimento que ganhava no activo, contra os actuais  66%.
A proposta do Ministério das Finanças foi ontem enviada aos sindicatos da administração pública para ser discutida na terça-feira.
Mas esta, como outras situações onde se inclui os cortes salariais acima de um determinado montante, é pouco passível de negociação. Não há verbas para pagar aos excedentários, como não houve para fazer actualizações salariais nos últimos dois anos.
A medida já foi contestada pelos sindicatos representantes dos trabalhadores do sector. Os Quadros Técnicos do Estado acusam o governo de estar a estrangular a negociação colectiva. Mas em casa onde não  há pão, todos ralham e ninguém tem razão. E não se prevê nenhuma inversão neste status quo antes de 2014.
Actualmente existem cerca de 1200 trabalhadores em mobilidade especial. Mas é uma gota no oceano. A entrada em vigor do Programa de Melhoria e Redução da Administração Central prevê o fecho de 40% dos organismos e serviços públicos e quem não tiver lugar nos novos mapas de pessoal da administração central será colocado neste regime, ex-quadro de excedentários do Estado.
Outra das mudanças que está na calha é o facto de as pessoas que estiverem na mobilidade  terem de aceitar obrigatoriamente uma nova colocação, perdendo a possibilidade de optarem.

sábado, 1 de outubro de 2011

Indonésia: confirmada morte de 18 ocupantes de avião acidentado

Buscas pelos passageiros desaparecidos [EPA/ADE SAPUTRA]
As autoridades indonésias confirmaram, este sábado, a morte dos 18 passageiros que seguiam quinta-feira num avião que se despenhou na ilha indonésia de Samatra . De acordo com as autoridades oficiais, os corpos dos 18 passageiros, incluindo quatro tripulantes, foram encontrados sem vida dentro do aparelho.

Na manhã deste sábado, uma equipa de resgate de quatro elementos foi deixada no local onde quinta-feira o pequeno avião se despenhou.

Chegou a ter-se esperança de encontrar sobreviventes, depois de se encontrarem quase intactos os destroços do aparelho. Foi reforçada quando a mãe de uma passageira ter revelado que recebeu uma chamada da filha.

Madeira: o calhau PSD da ilha contra os vigaros PSD do continente


Alberto João Jardim [LUSA]

O relatório da Inspecção-geral de Finanças sobre a Madeira alerta para vários riscos na situação financeira na região com uma alta probabilidade de se agravarem «substancialmente», e afectarem ainda mais o défice da região e do país.

No relatório hoje divulgado, a IGF sublinha que «a grave situação financeira da administração regional da Madeira poderá agravar-se substancialmente, com especial impacto ao nível da contabilidade nacional e/ou das necessidades financeiras/tesouraria anuais».